O Hepcentro

Página principal
Objetivos
Agradecimentos
Ética médica
Médicos
Direitos autorais


Artigos

Biblioteca
Dúvidas
Pesquisa
Links


Derivação Intra-hepática Portossistêmica Transjugular (TIPS)

Dr. Stéfano Gonçalves Jorge

Share |

   O TIPS (derivação intra-hepática portossistêmica transjugular) é um procedimento radiológico no qual é realizado um "desvio" entre a veia porta e a veia cava inferior, através da colocação de uma prótese (stent) que é instalado no local por um cateter que foi introduzido pela veia jugular, no pescoço, até a veia cava. Com essa derivação, há redução na hipertensão portal, levando a redução na ascite, diminuição do risco de hemorragia por varizes esôfago-gástricas e melhora nas síndromes hepatorrenal e hepatopulmonar. Há o risco de desencadeamento de encefalopatia hepática ou piora da mesma se o paciente já a apresentava, mas que geralmente pode ser controlada se for leve. O principal papel do TIPS é o de servir como "ponte" até a realização de transplante hepático, uma vez que há o risco de obstrução da prótese com o passar do tempo.

 

artigo em desenvolvimento

 

TIPS ( Transjugular Intrahepatic Portosystemic Shunt )

 

    Desde que foi usado pela primeira vez, em 1988, o TIPS tem evoluido e seu uso é cada vez mais difundido. Trata-se de uma técnica angiográfica na qual a veia porta é cateterizada por via transjugular através do fígado. Após a cateterização, é instalado um stent expansível de modo a construir um shunt intrahepático entre a circulação porta e a veia hepática esquerda.

 

Técnica e complicações

    Com o avanço na técnica e na experiência, alguns centros têm alcançado quase 100% de sucesso no procedimento e até 0,5% de mortalidade. As complicações variam muito entre os centros, e a tendência é a de que, com o aprimoramento da técnica, os riscos diminuem.

 

Complicações

%

Punção

- Carótida;

- Hematoma cervical;

- Traquéia;

- Pneumotórax;

- Cápsula hepática

- com hemoperitônio;

- com hemoperitônio fatal;

- Artéria hepática;

- Hemobilia;

 

3

1-4

0-1

0-1

6-39

1-6

0,5-1

<2

4-5

Stent

- Hemólise;

- clinicamente significativa;

- Migração;

- Trombose aguda portal e do stent;

- Infecção;

 

10-50

1-10

1-3

1-10

<2

Infecção

- Febre;

- Sepsis;

 

10-20

2-10

Complicações cardíacas

1-5

 

Follow-up

    Uma vez que a ocorrência e o momento da insuficiência do shunt não pode ser previsto, a sua função deve ser avaliada periodicamente. Isso pode ser feito por US doppler ( de 3-6 meses, com sensibilidade de 53 a 100% ), angiografia com medida da pressão venosa portal ( gold standard ) ou por endoscopia ( varizes ).

    A oclusão do shunt, geralmente por trombose, pode ocorrer precocemente ( em 30 dias ) ou tardiamente. A oclusão precoce é encontrada em 0-3% com o uso de heparina profilática e 10-15% sem. A oclusão tardia, em 1 ano, varia de 31 a 80%. Na maior parte dos estudos a estenose ocorre por proliferação da íntima na veia hepática.

 

Ressangramento

Ressangramento

Encefalopatia

Mortalidade

TIPS

Endosc.

TIPS

Endosc.

TIPS

Endosc.

Carrera (96)

27

52

39

11

7

18

Rossle (97)

15

41

36

18

10

11

Cello (97)

13

48

50

44

22

14

Sanyal (97)

29

27

29

13

31

11

Jalan (97)

10

49

16

11

30

32

Sauer (97)

10

44

26

13

23

15

Merli (94)

13

30

39

9

13

9

GEAIH (95)

41

61

-

-

50

42

Garcia (96)

14

50

22

26

0

33

 

Indicações

    O TIPS foi sugerido como uma estratégia alternativa para prevenir o ressangramento tardio. Como é relativamente não invasivo e descomprime todo o sistema portal, oferece a vantagem de ser mais eficiente que o tratamento endoscópico e menos arriscado que o cirúrgico. As evidências sugerem que este otimismo deve ser contido pela alta taxa de oclusão (cerca de 50% ao ano) e pelo risco de encefalopatia.

Contra-indicações

    Podem ser absolutas ou relativa. Há três contra-indicações absolutas ao TIPS: a insuficiência cardíaca direita (pelo aumento da pré-carga), a insuficiência hepática severa (pela redução do aporte sangüíneo ao fígado) e o fígado policístico (sangramento). As contra-indicações relativas incluem os tumores hepáticos hipervasculares (sangramento e disseminação), a encefalopatia hepática e a trombose portal crônica (pelo insucesso).

Artigo criado em: 16/01/07
Última revisão: 16/01/07

Home ] Acima ]


Campanhas


Publicidade